Bem-vindos familiares e responsáveis!

Este espaço foi criado com o objetivo de proporcionar conteúdos e dicas, bem como sugestões de atividades lúdicas que possam ser incluídas na rotina das famílias dos estudantes da Rede Municipal de Educação de Araquari, favorecendo seu processo de aprendizagem e desenvolvimento, e fortalecendo o vínculo afetivo.

A cada 15 dias serão feitas aqui publicações com conteúdos e dicas de profissionais da psicologia e da fonoaudiologia.

Tem algum assunto que gostaria de ler aqui? Encaminhe para a gente através do e-mail: numae.araquari@gmail.com

Agosto Laranja

O Agosto Laranja é um mês dedicado à prevenção de deficiências, onde as Apaes de todo o país promovem ações para conscientizar sobre a importância de alguns cuidados para diminuir a ocorrência de novas deficiências, tanto no nascimento quanto ao longo da vida. Além disso, a iniciativa busca identificar os casos que necessitam de intervenção precoce.

Fonte: Rádio Videira

WhatsApp Video 2020-08-28 at 18.17.26.mp4


WhatsApp Video 2020-08-31 at 10.58.08 (1).mp4


Prevenção ao uso de álcool e drogas

O Programa Saúde na Escola (PSE) vinculado às Secretarias Municipais de Educação e de Saúde apresenta no vídeo abaixo algumas orientações para as famílias no sentido de prevenir o uso de álcool e outras drogas. Reforçamos que para conversar com crianças e adolescentes sobre qualquer tema é importante que as relações familiares lhes proporcionem segurança e confiança.

Como Conversar com Crianças e Adolescentes sobre Álcool e Drogas.mp4
Consciência Fonológica - Parte III.docx
Consciência Fonológica - Parte II.docx
Cópia de 5ª Publicação (para famílias) - Consciência Fonológica .docx

O dia 18 de maio é o Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual. Tendo em vista a urgência de se valorizar as discussões pertinentes ao abuso e à exploração sexual, fazemos aqui um compilado de materiais que visam informar e prevenir ações que violentam e marcam intensamente a história das pessoas.

No site “Pipo e Fifi” você encontra livros e atividades que foram elaboradas para distri'buição gratuita e que possibilitam uma forma lúdica para que os adultos conversem com as crianças e previnam situações de abuso e exploração sexual. Saiba mais e conheça os materiais clicando nesse link: https://www.pipoefifi.com.br/publicacoes-gratuitas

Conheça também a campanha “Defenda-se”, que tem uma série de vídeos educativos, apropriados para crianças entre 4 e 12 anos de idade. Para conhecer a campanha assistir os vídeos clique aqui: https://defenda-se.com/

Além disso, saiba mais sobre o assunto a partir da campanha “Faça bonito”: https://www.facabonito.org.br/entendendo

O resgate das brincadeiras antigas e sua contribuição para o fortalecimento dos vínculos e para o processo de escolarização

Essa nova realidade que estamos vivendo trouxe mudanças significativas no cotidiano de muitas famílias. Com a suspensão das atividades escolares presenciais exigiu-se ainda mais da participação dos familiares no processo de escolarização das crianças.

A nova rotina imposta devido ao distanciamento social somada ao dia a dia do trabalho doméstico e demais trabalhos pode tornar-se ainda mais desgastante com a necessidade de acompanhar e estimular as crianças a realizarem seus estudos a distância. O que depende de uma supervisão ativa.

Mas você sabia que uma forma muito importante de contribuir
com o processo de escolarização da criança é brincando com ela?

A brincadeira espontânea, os jogos, a conversa e a leitura são atividades prazerosas que podem ser feitas em família. Essas atividades contribuem com o processo de escolarização das crianças pois atuam diretamente no desenvolvimento das funções mentais, que servem de suporte para a aprendizagem dos conteúdos escolares. Além disso, e até mais importante, é o fortalecimento de vínculos, de afetos e de segurança que esses momentos proporcionam para a criança.

Pensando nisso, que tal refrescar a memória e fazer um resgate das brincadeiras da sua infância?
Do que você brincava? Como eram essas brincadeiras?

Nem todas as brincadeiras necessitam de muitos recursos materiais, alguma delas só precisam de papel. Por exemplo: forca, stop, trilha, pontinhos, dobraduras.

Aqui neste arquivo você poderá encontrar algumas dicas de brincadeiras que podem ser realizadas em casa utilizando poucos materiais mas muita criatividade e improvisação!!

https://drive.google.com/file/d/1b7W8s6wFx5qVA1sK2KTA9x96SLK-Of_F/view?usp=sharing

Outras você só precisa do próprio corpo, como: morto-vivo, estátua, faz de conta, etc. Apague as luzes e com o auxílio de uma lanterna ou luminária, que tal brincar de sombra? Neste vídeo você poderá aprender algumas formas para fazer e ensinar as crianças: https://www.youtube.com/watch?v=Gx7nw5QC0zQ

Além desses que mencionamos aqui, quais outros jogos e brincadeiras você lembra?


Aproveite esses momentos!

Eles podem ser prazerosos também para os adultos da casa, até mesmo ajudando a diminuir o estresse produzido pelo dia a dia.

Heloiza Iracema Luckow, Psicóloga, CRP 12/13760

Maria Alice de Carvalho Echevarrieta, Psicóloga, CRP 12/16551

Estimulando a Linguagem da criança

A aquisição da linguagem é um fator fundamental para o desenvolvimento infantil. A interação com a família e o ambiente facilitador são essenciais na fase da aquisição da linguagem.

O papel da escola no desenvolvimento da linguagem nos primeiros seis anos é importante, mas não substitui o da família, já que a estimulação da linguagem se inicia desde que a criança ainda é bem bebezinha.

Dicas importantes:

Mantenham-se atentos à forma como a criança se comunica, respeitando seu estilo, mas também favorecendo o desenvolvimento de novas habilidades;

• Busque estar na mesma altura e chamar atenção para a face enquanto se comunica com a criança;

• Observe como ela faz para pedir objetos e ações; se ela apontar, estimulem a vocalizar junto;

• Explore as situações vivenciadas para ampliar o repertório comunicativo, por exemplo, durante o banho, comente como é gostoso se lavar, leve brinquedos, cante, estabeleça rotinas simples;

• Associe experiência da linguagem à fatores sensoriais. Exemplo: sentir o cheiro da flor ao nomeá-la, colocar a mão da criança na garrafa gelada e identificar a garrafa e a temperatura;

• Brinque o máximo possível de brincadeiras que necessitem a troca de experiências e troca de turnos. Exemplo: dar a bola receber de volta, de esconde-esconde...

• Quando solicitar algo a criança, aguarde que ela responda e/ou execute a ação;

• Durante a brincadeira estimule a linguagem da criança. Exemplo: ao brincar, associe uma rotina simples como “um,dois, três e já”. Quando estiver brincando com carrinhos ou animais, faça o som correspondente;

• Estimule brincadeiras com contato corporal, como: aviãozinho, pular e se jogar juntos em um colchão, estimular o abraço...

• Converse muito, de forma espontânea, sem impor ou falar por ela;

• Brinque de faz de conta com ela ( casinha, bonecos, inventar histórias durante as brincadeiras);

• Busque ter um momento do dia para a criação e/ou contação de histórias com a criança;

• Incentive a imitação;

• Proponha tarefas que estimulem os sentidos, como massinhas, deixe mexer na comida, pinturas com tintas, areia, desenhos com vários materiais diferentes, com texturas e materiais que fazem barulho.

Luísa Tschoepke,

Fonoaudióloga da Secretaria Municipal de Educação de Araquari

(CRFa 3- 8719 - 7)

1º Semana

Saúde mental em tempos de coronavírus: 6 dicas de cuidados para os dias de distanciamento social


Nas últimas semanas todos nós fomos pegos de surpresa, tivemos nossas rotinas e planejamentos modificados . Reconhecemos que esse desafio é ainda mais especial para aquelas famílias que têm crianças em suas casas. Por isso, em meio a tantas informações disponibilizadas nas redes sociais e outros meios de comunicação, achamos pertinente elencar aqui 6 dicas que esperamos que sejam úteis para o cotidiano das famílias com crianças.

Dica 1 – Converse com as crianças e adolescentes: É importante que o adulto explique de forma acessível o que está acontecendo no mundo, tomando cuidado com o acesso a vídeos, áudios e imagens que tenham conteúdos que possam assustar e aumentar o nível de ansiedade das crianças e adolescentes. É importante que as crianças entendam que ficar em casa é uma forma de proteger a si mesmo e, principalmente, aos outros.

Dica 2 – Garanta um ambiente seguro: Estamos vivendo um momento que pode, muitas vezes, gerar tensão, inclusive para crianças e adolescentes. Por isso, quando falamos de ambiente seguro, não falamos apenas da proteção em relação à contaminação do vírus. Ambiente seguro é aquele em que a criança e o adolescente sentem que há pessoas junto delas. Além disso, espaços para que a criança possa expressar o que está sentindo são interessantes. Para isso, a arte, o desenho e a massinha podem ser recursos que facilitam a expressão das emoções. Acolha o que a criança lhe disser.

Dica 3 – Estabeleça rotinas:

A rotina é interessante para organização das crianças e dos adultos. É necessário que os adultos organizem períodos para dedicar-se ao trabalho e períodos para dedicar-se exclusivamente à criança e ao adolescente. Você também pode incluir as crianças em pequenas tarefas domésticas, além de oferecer momentos para exercícios físicos. Mas lembre-se, você não precisa definir as atividades da criança o tempo inteiro, não se cobre por isso. Você deve dar suporte, ideias e estar presente, mas é importante que a criança também tenha liberdade para criar.


Dica 4 – Limite o uso excessivo de telas: Estabeleça momentos em família longe das telas de computadores, celulares e televisão. Aproveite para brincar e utilizar jogos. Os jogos podem auxiliar no desenvolvimento das funções mentais, como a atenção, a memória e a concentração, além de ser um momento de fortalecimento de vínculos e descontração entre a família. Aproveite as sugestões de atividades divulgadas aqui no site pelas professoras e professores de seus filhos.

Dica 5 – Cuide com o acesso à informação e notícias: O excesso de informação em meio à pandemia pode ser um fator de aumento da ansiedade, tanto para adultos como para as crianças e adolescentes. O que acha de estabelecer um ou dois momentos do dia para ter acesso à informação? Aproveite o resto do dia para realizar suas atividades e interagir com sua família, sem se cobrar tanto por produtividade nesse momento.

Dica 6 – Mantenha contato virtual com pessoas queridas: A interrupção abrupta do convívio social com pessoas queridas é um fator importante a ser considerado. Por isso, aproveite as tecnologias para manter vínculos e conexão com pessoas mais próximas, tanto do adulto quanto das crianças e adolescentes. Lembre-se, e faça as crianças e adolescentes lembrarem-se também: estamos isolados, mas não estamos sozinhos. Não hesite em procurar ajuda se precisar!


Heloiza Iracema Luckow

Psicóloga

CRP 12/13760

Maria Alice de Carvalho Echevarrieta

Psicóloga

CRP 12/16551